Home / News / 5 benefícios da emulação e virtualização diante de uma catástrofe

5 benefícios da emulação e virtualização diante de uma catástrofe

Catastrofe, esteja preparado!

Quando pensamos em CATÁSTROFE, precisamos pensar no RISCO de uma CATÁSTROFE. Ou só vale imaginar que precisamos nos preocupar se o RISCO for real? Leia aqui os 5 benefícios da emulação e virtualização diante de uma catástrofe.

Uma  CATÁSTROFE tecnológica pode acontecer por condições naturais, não relacionadas ao nosso dia a dia, externo aos processos e regras do negócio. Mas é comum que aconteça por condições internas, como por exemplo, uma falha elétrica, pane de um equipamento ou interrupção da conexão da internet. Até mesmo por ausência de um usuário.

Quanto estamos dependendo de um?

O tema CATÁSTROFE está na moda, seja por eventos naturais, acontecimentos atmosféricos que se repetem em função das mudanças no clima, ou catástrofes relacionadas a ciberataques, vírus ou sequestro de dados.

Um desastre natural, compromete toda uma comunidade e haverá comoção, e sua capacidade de recuperação, deve estar no planejamento preventivo. Desta forma, será um facilitador diante do CAOS.

Um desastre por falha de sistema, ou de hardware, poderá comprometer a sua empresa especificamente. A capacidade de reação e recuperação, está relacionada com o tempo que o ambiente demorará para ser restaurado. Sem um planejamento será considerada GRAVE. Se houver um planejamento de recuperação e sua resposta for rápida, sua condição será melhor percebida pelo usuário.

Tenha em mente que o risco é sempre eminente, principalmente se não houver prevenção.  A responsabilidade precisa ser compartilhada e publicada.

Continue lendo e saiba por que a virtualização é indicada na prevenção de desastres!

Planejamento X Improviso!

5 benefícios da emulação e virtualização diante de uma catástrofe

Mas, você sabe o que vem a ser virtualização?

“É uma técnica que permite que uma aplicação de um sistema operacional (ou mesmo um sistema operacional inteiro) rode dentro de outro sistema. É o mesmo que abrir uma distribuição do Linux no Windows e rodá-lo como um software, ou instalar um aplicativo de Windows, como o Photoshop, dentro do Linux. Uma imagem de servidor vem com todos as características, mapeamento, direitos e restrições de usuários, aplicativos instalados e funcionando. “

A recuperação rápida, é uma condição NATURAL da Virtualização, veja por que!

1- Rápida recuperação de serviços de TI em produção

A recuperação rápida é uma condição NATURAL da virtualização. Uma imagem de servidor vem com todas as características, mapeamento, direitos e restrições de usuários, aplicativos instalados e funcionando. Ela pode até ter uma relação com o sistema operacional HOST, único pré requisito. Voltará a funcionar num hardware igual ou diferente, a máquina virtual não tem ligação com o hardware. 
A recuperação dependerá apenas de RESTAURAR em um novo HOST, tudo estará funcionando assim que terminado e religado à rede.

2- Acesso contínuo à informação crítica da empresa por meio da incorporação de esquemas de alta disponibilidade em computação ou na nuvem.

Se a virtualização for feita em ambiente de nuvem, a proteção é ainda mais robusta. Natural que o ambiente de CLOUD tenha capacidade de oferecer uma outra máquina em tempo recorde e o RESTORE ser trabalhado em protocolos quase automatizados. Por mais que seja uma realidade, sempre é necessário que o plano de contingência esteja publicado e com mais de um usuário treinado para executá-lo. 

3- Redução de custos operacionais associados ao tempo de busca ou à compra de componentes obsoletos para tentar recuperar um sistema legado.

Se o ambiente é local, na rede, qualquer falha justifica a compra de periféricos de reposição compatível com hardware instalado. Mas nem sempre será fácil encontrar um compatível com o original. Esta condição pode elevar muito o tempo de recuperação.
A vantagem da Virtualização, é que o Hardware poderá ser 100% novo, não ter nenhuma similaridade com o anterior. A máquina virtualizada não tem relação de conexão, funciona em uma camada acima, a camada de software, onde os recursos vem do sistema HOST e não diretamente do hardware. 

Planejamento ou Improviso?

4- Redução de riscos e conformidade com normas, regulações e multas.

Se não há conexão com o hardware e funciona em uma camada de software, poderá estar sujeito a regras de atualizações e conformidades. 
O tempo de resposta para recuperação é o tempo de RESTORE, que poderá ser previsto e publicado. Se publicado, mantendo a transparência de comunicação com os usuários e reduzindo sobre maneira o desgaste de cobrança.

5- Ajuda a minimizar o risco e o impacto da reputação da empresa por não poder prestar serviços críticos aos clientes.

Se a interrupção for uma questão crítica, a máquina poderá ser clonada, e estar pronta para entrar em produção. Este procedimento é uma segurança a mais na virtualização. Possui custo adicional, mas poderá, em processos críticos, ser uma condição de sobrevivência.

A condição de clonagem pode acontecer de forma Off Line, sendo necessário criar um gatilho de alteração da máquina principal para a de Backup. Esta condição é transparente para o usuário, que normalmente não perceberá falha. 

O espelhamento pode ser ainda mais robusto, ser utilizamos um “Cluster”, ou seja, duas máquinas funcionando simultaneamente, compartilhando recursos e balanceando demanda. É um custo extra de uso, mas em processos críticos, esta funcionalidade poderá garantir mais eficiência e satisfação para o usuário.

Fonte: Itforum365 (A ITForum tem sido uma grande fonte de conteúdo para o nosso blog. Sempre contextualizamos com o nosso mercado, mas é uma fonte execelente de informações e conteúdo)

 

Faça um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *